Inutilitário Materno, capitulo I

12 de nov de 2010 - não enviada por Camila Rufine
Para quem pensa em ser mãe, ou já é e ainda dá tempo de evitar uma tragédia:

Ame seu filho, eduque-o, ensine bons costumes, ética e moral, incentive o hábito da leitura, o respeito aos mais velhos e o cuidado com a natureza. Faça tudo isso. Mas não esqueça de fazer aquilo que considero, desde hoje, a segunda principal missão materna (só perdendo para 'ser e ensinar os filhos a serem honestos'): Não mime o seu rebento. Lembre-o que na sua casa ele pode até ser a atração principal, mas que fora dela muitos vão o achar sem graça. Que ele tem que prestar atenção para evitar ser inconveniente. Que ele é único, mas não é insubstituível. Que, apesar de que você o ame incondicionalmente, outras pessoas não irão. Que todo mundo tem vontades e que elas podem ir contra as dele. Que sempre que alguém ganha, outra pessoa perde e que ele terá que aprender a encarar as duas situações. Que ser inteligente não lhe dá o direito de ser arrogante. Que ser bonito não lhe dá direito de ser burro. Que ele tem responsabilidade pelos seus atos. Que ele tem que lutar para merecer.

Pode ser mais fácil criar um filho através de agrados, principalmente em um mundo cercado de violência, drogas e música ruim. Mas é justamente nesse mundo que o seu filho terá que sobreviver quando você morrer. Prepare seu filho para a vida real, não para ser um eterno infantilóide cheio de não-me-toques que só atrasará - ou, quizá, arruinará - a vida dos outros.

3 Response to "Inutilitário Materno, capitulo I"

  1. Léo Says:

    Adorei!
    Temos uma atração aqui, meu sobrinho de 3 anos. E acontece igualzinho.
    ps: em alguns contextos, existem as relações ganha-ganha, onde ninguém perde, apenas uma troca por interesses.

  2. NaNah Says:

    Hahahahaha, a minha ex-sogra deveria ter lido isso há 19 anos atrás... --'

    Muito bom Camis...

    saudades

  3. Michele Matos Says:

    É! Muita mãe deveria ter lido há 19, 25 anos...Que bom que eu já li!
    =)